entre em contato, vem ser prime

Campos de respostas obrigatórias*

CARLA BENEDETTI

ADVOCACIA

REDES SOCIAIS

Localização

LONDRINA - PR

"Voe em um limite improvável! Dou vazão aos meus talentos essenciais e nisso procuro uma vida em que exprima sentido e significado. Percorro os meus sonhos e procuro torná-los realidade. Mais do que imaginá-los, ainda mais gratificante é experenciá-los, para isso, encaro o compromisso desses sonhos se apoderarem da minha vida."

 A londrinense Carla Benedetti é graduada em Comunicação Social – jornalismo – pela UEL - Universidade Estadual de Londrina, e em Direito pela PUC/PR – Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Possui também mestrado em Direito Previdenciário pela PUC/SP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Relata a razão de ter feito a escolha da profissão. "Cursei, primeiramente, Comunicação Social – jornalismo, na UEL. Para este curso, não recebi influência da família, exceto pelo fato de que sempre fui estimulada a ler muitos livros e a escrever, talvez, pela minha mãe também ter cursado letras vernáculas. Passava muitas tardes na Biblioteca Municipal de Londrina enquanto minha mãe trabalhava. Desde criança, brincava também com meu pai de entrevistar pessoas.  Sobre a advocacia, cresci ouvindo minha mãe, então funcionária pública do INSS, falando sobre aposentadoria e concessão de benefícios previdenciários. Entre meus 10 e 11 anos, era habitual sair dos mais variados cursos da tarde para encontrar minha mãe no trabalho antes de irmos para casa. Ja´ na adolescência, acompanhava meu irmão mais velho, recém advogado, para requerer benefícios previdenciários nas agências do INSS, local em que por um tempo também me acompanhou nas madrugadas em que todos os requerimentos eram realizados por ordem de chegada. Ficávamos por lá´, muitas vezes, a família toda".

A profissional revela que até relutou por um tempo em não trabalhar com aquilo que fez parte da rotina e da história de sua vida e família. "Mas percebi que ignorar algo tão comum a mim, era bobagem, e que eu só´ poderia acrescentar se também contribuísse com uma história que só´ cresce e que, de certo modo, já´ ajudou a devolver dignidade a muitas pessoas que a tinham perdido. Quanto a ser professora, a educação sempre me fascinou. Acredito que a educação transforma pessoas e contribuir para isso entendo ser uma tarefa muito nobre. Junto a esta tarefa, estou sempre escrevendo, tantos artigos científicos, nacionais e internacionais, como também livros. Meu primeiro livro na área jurídica foi: “Aposentadoria da pessoa com deficiência sob a visão dos direitos humanos”, e no final de 2020 o lancei outro em relação à reforma da previdência de 2019. Na mesma época publiquei também um livro na área de literatura, “Um toque de emoção. Penso, logo amo”, de versos, prosa e poesia”. 

Ainda que a sua maior atuação seja como advogada, e também empresária da área jurídica, sócia de oito escritórios da Benedetti Advocacia, diariamente trabalha também com Comunicação. " Pois sou responsável por toda produção de conteúdo do escritório, seja em formato de vídeo, rádio, artigos e notícias, além de manter uma coluna no Portal Bonde, nomeada como “Pílulas do Direito Previdenciário”, e enviar com regularidade material para a imprensa, tais como o Estadão", completa a advogada.

Adepta da frase de Napoleão Hill; “Tudo o que a mente humana pode conceber, ela pode acreditar”, a advogada revela que as suas maiores experiências se relacionam com a superação de limites, colocar em prática um projeto e sonho difícil, traçar uma meta e um roteiro, e então, vê-los se tornando realidade. A cada trabalho bem sucedido afirma ter o sentimento de gratidão, satisfação e pertencimento.

Seu desejo resume-se em trabalhar com o crescimento do escritório e intensificar seu nome no mercado de educação online. Ela fez mestrado em Direito Previdenciário na PUC-SP, sendo o único mestrado do país na área de Direito Previdenciário. Atualmente, é coordenadora de curso de pós-graduação e também professora. A homenagem de alguns de seus livros é para os pais, por causa do apoio, educação e oportunidades que lhe deram ao longo da jornada profissional.

Segundo Carla, ela busca equilibrar sua vida profissional com a pessoal, para que se sinta mais realizada e satisfeita e também mais fortalecida na implementação dos projetos. "Mantenho uma agenda on-line organizada, utilizado planners, sou muito disciplinada com os meus compromissos, e mantenho diariamente uma rotina para atividades físicas, cuidados pessoais e com alimentação. Acredito também que delegar atividades é muito importante para que os projetos estejam em dia. Procuro dar um pouco mais de atenção para as pessoas que são essenciais em minha vida e tento afastar aquilo que traga uma energia negativa e possa atrapalhar meus projetos ou minha felicidade. Por isso procuro otimizar meu tempo e utilizá-lo com qualidade, da melhor forma possível", e completa ao afirmar que a sua casa é o seu reduto de paz, por isso, cuida muito bem dela e procura deixá-la com um ambiente de beleza, encantamento e aconchego.

Ela sempre teve a intenção de crescer na profissão, com alto desempenho e capacidade, mas além disso tudo, conta que pretendia também fazer diferença na vida das pessoas. "Acredito que este propósito de fazer bem a si mesma e às pessoas ao redor traz um significado muito especial para o exercício da profissão", enfatiza. Ela é sócia da Benedetti Advocacia, escritório referência em Direito Previdenciário no Brasil. Atua conjuntamente com a família nas sedes espalhadas pelo estado do Paraná. "Possuímos quatro escritórios na região de Londrina, sendo um na Rua Rio Grande do Sul (matriz), outro no jardim Shangri-lá, zona A, na frente do INSS. Mais um na rua Professor João Cândido, também na frente do INSS, e outro na Avenida Saul Elkind, na zona norte. Possuímos também escritórios em Arapongas, Toledo, Cascavel e Maringá e atuamos em toda região metropolitana destas cidades", conclui.

Participa dos congressos internacionais, "pois além de me encontrar com brasileiros muito bem-sucedidos em sua área de atuação e que apresentam excelentes projetos, também convivo com profissionais de outros países e com a percepção e visão de outras culturas", comenta. Sobre as expectativas futuras é otimista. "O mercado digital tem crescido muito e a advocacia também está em constante transformação. Penso que o futuro da profissão estará aliado às novas práticas tecnológicas. Além disso, como sou advogada previdenciária e houve muitas alterações na reforma da previdência, tanto no que concerne ao enrijecimento para a conquista dos benefícios previdenciários, quanto também na análise de diferentes regras de transição e cálculo destes, penso que o planejamento previdenciário é uma tarefa que será corriqueira no futuro, bem como a oferta de outras tarefas, na área do direito previdenciário, que não estão somente atreladas às questões de benefícios previdenciários, mas também de custeio e do setor empresarial", conclui.

"Como advogada, motiva-me a conquista da justiça, além de propiciar mudanças positivas e relevantes na vida das pessoas. Isso me traz satisfação, em transformar o mundo de alguma pessoa, devolver dignidade, minimizar a dor.  Podemos, e tento, inclusive, melhorar e transformar a vida também dos colaboradores do escritório.  A comunicação com outras pessoas me traz energia e a formação também de um pensamento crítico sobre determinados assuntos a algumas pessoas me deixa com um sentimento de contribuição na sociedade e construção de cidadania. Fomentar discussões relevantes, assim como ocorre com a tarefa de professora ou escritora, é um passo para que mudanças positivas sejam implementadas em sociedade.  Em todos os meus papéis, como advogada, jornalista, empresária, professora, escritora e cidadã, me utilizo dos ensinamentos de Stephen Covey, escritor e ex-consultor pessoal do presidente Bill Clinton: “Plante um pensamento, colha uma ação; plante uma ação, colha um hábito; plante um hábito, colha um caráter; plante um caráter, colha um destino”, destaca.

Sobre um fato que deixou boas lembranças na profissão diz: "não me recordo de somente um fato em específico, mas fico emocionada quando uma pessoa doente, após tantas negativas do INSS para a conquista de um benefício por incapacidade ou assistencial, vê seu pedido atendido após a atuação do advogado na justiça. Ou quando alguém está em risco social, sem condições de tratamento adequado para doença, inclusive psiquiátrica, muitas vezes sem ter quase nada para comer, vê, após tanta luta, seu pedido ser atendido. Quando conquistamos ao companheiro uma pensão por morte em condições improváveis, dada a dificuldade de obtenção de documentos. Quando observo que meu cliente não é somente carente financeiramente, mas que possui uma carência emocional e um histórico de vida digno dos dramas mais profundos já vistos em cenas de filmes. Uma situação de miserabilidade social, mas também de miserabilidade de vida. Violência, agressões, desastres, doenças. Há mulheres que pedem um benefício previdenciário ou assistencial para se verem livres da violência doméstica e dos maus tratos. Já houve casos de outros que não conseguiam provas rurais porque fugiram de casa ainda criança após o pai matar a mãe. Outro que ficou com depressão após a esposa, com depressão pós-parto, ter matado a própria filha. Aqueles, que em solidariedade, adotam pessoas que moravam na rua, e que são quase todos aidéticos e doentes. Aqueles em que a bebida e uso de substâncias psicoativas fazem parte do cotidiano e o vício colabora para destruir famílias. A esquizofrenia em grau elevado e mesmo assim, benefícios no INSS negados por não constatação da incapacidade para o trabalho. Clientes que morreram no curso do processo, mas que a perícia da autarquia previdenciária entendeu que não haveria incapacidade. Outros que chegam a arrancar os cabelos diante de tanto sofrimento da depressão. Aqueles que desenvolveram grandes problemas psiquiátricos pelo estado de guerra em que pessoa não se desvincula após trabalhar em penitenciária e enfrentar tantas rebeliões. Enfim, são muitos casos marcantes, e quando apresentamos uma parte da história com final feliz, sei que cumpri um pouco do meu papel como ser humano", relata, " Na área da comunicação, fico feliz em ver meu trabalho sendo reconhecido e divulgado pela imprensa, e como professora, vibro com meus alunos quando os ajudo na aprovação de um projeto ou na conquista de parte dos seus sonhos", finaliza.